Vinho
Indicar para um amigo

Da Vinci Chianti Riserva (Cantine Leonardo da Vinci)

País: Itália (Toscana - Chianti)
Safra: 2005
Tipo: Tinto (85% Sangiovese, 10% Merlot e 5% de Canaiolo, Syrah e Colorino)
Álcool: 13,00%
Temperatura de consumo: 16ºC a 18ºC
Preço: R$ 79,00

 
ApresentaçãoAnálise TécnicaNossa AnáliseHarmonizaçãoOnde encontrar
Apresentação

A Cantine Leonardo da Vinci surgiu, em 1961, da união de 30 proprietários de fazendas agrícolas e hoje abriga 160 produtores em Vinci, terra onde nasceu o mestre renascentista homônimo, na Toscana, Itália.

Atualmente possui cerca de 500 hectares de vinhedos, em sua maioria da uva Sangiovese, a principal cepa local, e também de Merlot, Syrah, Canaiolo, Trebbiano e Chardonnay.

Em quase 50 anos de existência, a vinícola se modernizou e, desde 1995, utiliza um bom aparato tecnológico na elaboração, combinado com técnicas clássicas que produzem vinhos com espírito inovador, como este tinto seco Riserva toscano de Chianti, que conta com o blend de uvas de origem italiana e francesa.

Segundo a vinícola, 85% do corte é de vinho da uva Sangiovese,10% de Merlot e os 5% restantes de Canaiolo, Syrah e Colorino, que resultaram na produção de apenas 8 mil garrafas da safra 2005.

Na vinificação, a fermentação ocorreu em tanques de aço inox com temperaturas controladas entre 28ºC e 29ºC. Seu envelhecimento foi em barricas de carvalho francês por um ano e mais três meses dentro da garrafa.

Acompanha muito bem pratos como carne de panela, ossobuco, massas com molhos de tomate, bolonhesa e funghi, ou ainda a típica bisteca à moda fiorentina. Deve ser servido entre 16ºC e 18ºC.

Ao Brasil, o Da Vinci Chianti Riserva chegou em março de 2009. Lançamento importado pela Santa Ceia Vinhos, empresa de Vinhedo (SP) que, coincidentemente ou não, carrega o nome de um dos quadros mais famosos pintados por Da Vinci.

Análise Técnica

Na Expovinis 2009, o diretor da Santa Ceia Vinhos, Rogério Bertasoli, afirmou que o Da Vinci Chianti Riserva 2005 é um vinho que prima pelo equilíbrio e por sua qualidade e nem por isso acaba sendo uma opção cara. Para ele, este tinto toscano é a expressão fiel do Chianti e deve ser degustado com atenção e boa comida para que todo seu potencial seja percebido. “Com mais um ano de descanso na garrafa acredito que esse vinho vai atingir o apogeu”, analisou o especialista.

Em relação aos aspectos visuais, Bertasoli descreveu a intensidade da coloração rubi deste toscano quase impenetrável pela luz, sua limpidez e brilho corretos. No olfato, o executivo destacou os aromas de frutas vermelhas mais maduras bem mais pronunciadas sobre toques de baunilha, por exemplo.

“É importante dizer que, apesar dos 12 meses de envelhecimento em barricas, a influência do carvalho nunca se sobrepõe à influência da fruta neste Da Vinci Chianti”, observou o especialista.

Na boca, Bertasoli destacou o bom corpo e estrutura deste vinho seco, seus taninos “quase prontos” a boa acidez integrada e a complexidade de aromas frutados, com o final leve tostado. “Trata-se de um exemplar com boa persistência”, relatou.

Bertasoli recomenda o consumo deste Da Vinci Chianti Riserva entre 16ºC e 18ºC, durante um jantar, como acompanhamento do prato principal, que pode ser carne de panela, ossobuco, massas com molhos ou ainda a tradicional bisteca à moda fiorentina.

Nossa Análise

O Da Vinci Chianti Riserva 2005 pode ser considerado um vinho moderno e inovador, não só pelas técnicas de vinificação adotadas pela Cantine Leonardo da Vinci, na Toscana, Itália, mas pela assemblage (mistura de diferentes tipos de uva na elaboração de um vinho) de cepas de origem italiana e francesa utilizadas, de 85% Sangiovese, 10% Merlot e os 5% restantes de uma combinação entre as uvas Canaiolo, Syrah e Colorino.

Sua cor é rubi muito intensa, escura, que praticamente não permite a passagem de luz através do vinho, com boa limpidez e brilho.

Sobre os aromas, os mais perceptíveis são os de frutas vermelhas maduras, que eventualmente também podem lembrar cheio de compota. Percebe-se ainda aromas de especiarias e também um toque herbáceo, além de um tostado no final.

Na boca, um vinho tinto seco, de boa acidez (sensação refrescante que provoca salivação) compatível com o teor alcoólico de 13% e taninos (substância adstringente que comprime lábios e gengivas) presentes, mas pouco agressivos. De corpo (sensação de peso do vinho na boca) médio para encorpado, seu gosto permanece na boca por pouco mais de 6 segundos, ou seja, de persistência aromática média para longa.

A recomendação é para serviço do Da Vinci Chianti Riserva com temperatura entre 16ºC e 18ºC, como acompanhamento do prato principal da refeição. Ossobuco, carne de panela, massas com molhos e a tradicional bisteca à moda florentina são as sugestões de prato.

Harmonização

Carne de panela
Ossobuco
Massas com molhos de tomate, bolonhesa ou funghi
Bisteca a moda fiorentina

Onde Encontrar

Santa Ceia Vinhos
(19) 3836-2202 (Vinhedo – SP)
www.santaceiavinhos.com.br

Copyright® 2014 MundoVinho®. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução
de qualquer texto sem prévia autorização por escrito de MundoVinho®.
Desenvolvimento MadeinWeb Internet Solutions